Destaque

Gestão da carteira de imóveis – Edifício Pedro Gil é vendido

| Destaque, Notícias, Publicações

a13b8fef-0eaa-43c9-b1ee-6922b8383372 5b8c4b33-c86c-4d95-ac7d-551987b1ff96

A Fusesc comunica que, na data de hoje, foi realizada a venda do Edifício José Pedro Gil, Imóvel (prédio comercial) situado na Rua Dom Jaime Câmara, 259, Bairro Centro, Florianópolis, composto por 05 (cinco) pavimentos de salas e 12 (doze) vagas de garagem distribuídas no térreo e subsolo, com área total de 1.209,97m², devidamente registrados no Cartório do 1º Ofício de Registro de Imóveis de Florianópolis – SC sob as matrículas nº 39.324 a 39.340, pelo VALOR À VISTA de R$ 4.200.000,00 (quatro milhões e duzentos mil reais).

A venda havia sido autorizada pelo Conselho Deliberativo da Entidade, conforme divulgado em 23 de agosto: https://fusesc.com.br/?p=11214

Sobre a venda do imóvel

A venda do imóvel em questão, desocupado há mais de 6 anos, faz parte de uma política de desinvestimentos no segmento de imóveis comerciais, atendendo a Resolução CMN 4.661/2018, que impede os fundos de pensão de comprar imóveis diretamente e estabelece um prazo de 12 anos (até 2030) para que as entidades vendam seus ativos imobiliários ou os reúnam em um fundo imobiliário (FII).

Para tomar decisões de desinvestimentos e realocações, a área técnica de investimentos realiza estudos periódicos para identificar as oportunidades de rentabilidade para várias janelas temporais. Para o horizonte da carteira de imóveis, são utilizadas projeções de longo prazo e comparados os custos de oportunidade, levando-se em consideração a expectativa de receita de aluguel do(s) imóvel(eis) versus receitas de juros de títulos de emissão risk free.

Para esta operação, especificamente, informamos que o imóvel foi vendido com ágio, em comparação com a avaliação de mercado média dos últimos 5 anos, e o processo de desinvestimento seguiu todo o rito de governança interna, por aferição estritamente técnica e aderente à legislação vigente. Por oportuno, vale citar que a entrada do recurso à vista será alocada dentro dos limites da Política de Investimento dos Planos de Benefícios de acordo com a metodologia ótima de retorno versus risco. Outrossim, em que pese o desafiador cenário econômico em o país atravessa, a carteira de imóveis da Entidade tem apresentado um resultado resiliente em aluguéis, acima do mercado local (Florianópolis), mas com rentabilidade acumulada abaixo da meta atuarial em todas as janelas temporais, para três planos de benefícios da Entidade.

Informações adicionais podem ser solicitadas nos termos do Art.9 da Resolução CNPC 32 de 04 de dezembro de 2019.

Businessman working at his office with documents and check the accuracy of information.

PREVIC aprova alterações no Regulamento do Plano Multifuturo II

A Superintendência Nacional da Previdência Complementar (PREVIC), órgão regulador e fiscalizador das Entidades Fechadas de Previdência Complementar, aprovou em 12 de janeiro de 2021 o novo regulamento do Plano Multifuturo II (MFII) – com publicação no Diário Oficial da União. O novo documento já está em vigor desde 15...

+ LEIA MAIS